Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

\ Amamentação \ Geral \ Artigo

DENÚNCIA: boneca BARBIE com SILICONES nas MAMAS!?

Por: Marcus Renato de Carvalho

 

 

  MAMÍFEROS HUMANOS

  estariam em EXTINÇÃO?

 

A Matel continua a "inovar" e acaba de lançar os Barbie Fake Boobs,

um conjunto de implantes de silicone para colocar nas mamas da boneca:

"para ficar igual à mamãe!"


A Barbie siliconada

Olha só pra Barbie siliconada:
Até aonde vai a estupidez humana?
Quem é que ela encanta? Quem é que ela agrada?
Quem ela convence? A quem ela engana?

A Barbie siliconada. Adulterada.
Como se fosse uma “pirua” hollywoodiana.
Olha pra Barbie siliconada, coitada...
Meu Deus! Que brincadeira mais insana!

Não sei se turbinada ela tem um nome
Que a identifique: Barbie com silicone.
O peito sem respeito da boneca.

Que Deus proteja dela a nossa infancia,
Desalinho travestido de elegancia,
Contaminando nossa brinquedoteca...

Dr. Luís Alberto Mussa Tavares 

 

MAMAS: Para que SERVEM mesmo?!

 

 

Número de

plásticas de mama

ultrapassa o de

lipoaspirações

no Brasil

 

 

                                                 Em quatro anos, o número de cirurgias estéticas de mama (aumento e redução) ultrapassou o de lipoaspirações no Brasil, segundo pesquisa Datafolha encomendada pela SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica). De um total de 629 mil procedimentos de médio e grande porte feitos em 2008, 151 mil foram de mama e outros 91 mil, de lipoaspiração.

Em 2004, no último levantamento da SBCP, as lipos totalizaram 198.137, e as cirurgias de mama, 117.759. No total, foram 616.287 cirurgias. O Brasil ocupa o segundo lugar no ranking mundial de cirurgias plásticas --só perde para os EUA.

Uma das explicações da entidade para a queda das lipos nas estatísticas é que muitas cirurgias passaram a ser feitas por médicos que não são cirurgiões plásticos --cirurgiões gerais, por exemplo, podem fazê-las.

A não especialização tem sido apontada como uma das causas das complicações na lipoaspiração. Segundo o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, dos 289 médicos processados na área estética de 2001 a 2008, 283 não eram especialistas em cirurgia plástica.

Na avaliação do presidente da SBCP, José Tariki, o crescimento das cirurgias de mama, em relação à lipoaspiração, é explicado, em parte, por uma maior confiança na técnica.

"As próteses avançaram muito. O gel [de silicone] não é mais líquido, o que impede que ele invada outras áreas do corpo. Com isso, as pacientes que tinham medo começaram a procurar [pela cirurgia]", afirma.

 

MAMOPLASTIAS: AUMENTO ou REDUÇÃO?

A pesquisa mostrou que o número de cirurgias de aumento dos seios são 74% mais frequentes do que as de redução --96 mil contra 55 mil.

"O conceito era que brasileiro gostava de mama pequena e bumbum grande. Hoje, ter mama grande deixou de ser problema. Na década de 90, só 10% das cirurgias de mama eram de aumento enquanto 90% eram de redução", diz Tariki.

"Estamos vivendo uma americanização do padrão e do gosto por seios volumosos", emenda o cirurgião plástico Paulo Roberto Leal, diretor científico da SBCP e chefe do serviço de cirurgia reconstrutora do Inca (Instituto Nacional de Câncer).

A analista financeira Andreza Ribeiro Lima, 26, implantou 300 ml de silicone em cada seio em dezembro, estimulada pelas amigas e pela irmã, todas "siliconadas". "Não me sentia bem com decotes. Agora, meu sutiã saltou do número 40 para o 44. To amando", afirma ela.

Cirurgias reparadoras

A pesquisa Datafolha também traçou, pela primeira vez, um perfil das cirurgias plásticas reparadoras, que totalizam 172 mil por ano --31% do total.

Os tumores (principalmente o de pele e o de mama) são responsáveis por 43% (74 mil) dos procedimentos, seguidos pelos acidentes urbanos (13%).

A maioria das cirurgias reparadoras (81%) é feita em hospitais públicos, mas há longas filas de espera. No Inca, por exemplo, que realiza em média 1.200 cirurgias por ano, elas demoram de três a quatro meses.

"A procura é muito grande porque somos um centro de referência. A maioria dos hospitais públicos não tem profissionais qualificados", diz o cirurgião Paulo Leal.

 

 

Leia mais sobre estes temas aqui no www.aleitamento.com

 

 

 

 

 

 

 

 

Autor: Folha online

MAMAS para que servem mesmo?! Artigo publicado originalmente em 18/2/2009

Republicado em 4/12/2009

 


Última atualização: 10/06/2011

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital