Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

CRENÇAS e TABUS do ALEITAMENTO MATERNO

Por: Sérgio França

Mitos e verdades sobre a amamentação

Muitos mitos são propagados quando o assunto é amamentação. Será que seios pequenos produzem pouco leite? Existe leite fraco? Canjica, cerveja preta, água inglesa e outros alimentos aumentam a produção de leite? Segundo o coordenador do Banco de Leite Humano do Instituto Fernandes Figueira (IFF) da Fiocruz, João Aprígio, essas afirmações não podem ser tidas como verdades. "Seios grandes e pequenos produzem a mesma quantidade de leite, pois o que dá o tamanho é o tecido adiposo e não a glândula mamária. A quase totalidade do leite humano é produzida no momento da mamada, sempre respondendo à demanda do bebê", explica Aprígio.

Sobre leite fraco, o pesquisador da Fiocruz afirma que isso não existe. O leite sempre tem a mesma constituição, não importa a quantidade e é o único alimento recomendado à criança até os seis meses de idade. A mãe deve oferecer sempre o seio para o bebê, que irá estimular a produção.

A alimentação da mãe deve ser vista com cuidado. "Se ela não costumava beber leite de vaca, não deve começar durante a amamentação. Isso aumenta o risco de o bebê desenvolver alergia a esse tipo de leite. A mãe deve obedecer a uma dieta saudável, recomendada pelos profissionais de saúde e permitir que o bebê sugue à vontade, estimulando a produção", diz o pesquisador.

Algumas informações quanto à amamentação são pouco conhecidas do grande público. Um exemplo é o fator antidengue que compõe o leite materno. Durante os seis meses de amamentação exclusiva, o bebê permanece protegido contra a transmissão do vírus do dengue se for picado por mosquitos infectados. Outro aspecto que precisa ser valorizado é a recuperação estética após o nascimento do bebe. Durante a gestação, a mulher acumula peso para formar uma reserva energética justamente para ser gasta no período da amamentação.


Toda mãe pode amamentar

Um mito muito difundido é o de que mães que fizeram operação cesariana não podem amamentar. Em verdade, segundo Aprígio, a amamentação sempre é possível. Muitas dificuldades podem ser vencidas buscando um posicionamento que proporcione um maior conforto para a mãe no momento da amamentação. "A mãe deve buscar a melhor posição, seja sentada, em pé, deitada e oferecer o seio à criança. Deve promover uma boa pega, com a criança abocanhando a maior parte possível da auréola, para evitar fissuras", recomendou o pesquisador.

A amamentação só deve ser interrompida caso haja uma indicação médica expressa. A maioria das dificuldades que podem surgir durante o processo de amamentação podem ser facilmente vencidas e até mesmo prevenidas, com a adoção de mediadas preventivas. Um exemplo é a prática de passar um pouco do próprio leite na região da auréola, para eliminar bactérias, umedecer e manter a elasticidade da pele, evitando assim a ocorrência de rachaduras ou fissuras de bico.

Mães que observam acúmulo de leite nos seios devem fazer a "ordenha de alívio", para evitar problemas de empedramentos ou mastite. O leite em excesso pode ser encaminhado para o banco de leite mais próximo, para atender a crianças pré-maturas. Hoje são mais de 160 em todo o país. Para se informar sobre os bancos de leite e sobre amamentação, basta ligar gratuitamente para o SOS Amamentação no telefone 0800-268877 de segunda à sexta, das 8h às 17h.


Mentiras

   1. Seios pequenos produzem pouco leite.
   2. Leite materno é fraco e deixa o bebê com fome.
   3. Canjica, cerveja preta, água inglesa e outros alimentos aumentam a produção de leite.
   4. A mulher que faz cesariana não pode amamentar.
   5. Seios inflamados impedem a amamentação.
   6. Mãe com alguma infecção não pode amamentar.
   7. Quando a mãe não tem leite o bebê pode mamar em outra mulher.

Verdades

   1. Tamanho não é documento. Seios grandes e pequenos produzem a mesma quantidade de leite.
   2. Não existe leite materno fraco. Pelo contrário, o leite materno é o melhor para seu bebê.
   3. Alimentação saudável, recomendada por um profissional de saúde, e deixar o bebê sugar à vontade são as principais dicas para aumentar a quantidade de leite.
   4. Colocando o bebê ao seio, aos poucos, nos primeiros dias, o leite descerá normalmente.
   5. Ao contrário, deve-se dar de mamar mais vezes, para o peito não empedrar e ajudar a desinflamar.
   6. Poucas infecções ou medicamentos impedem o aleitamento materno. Na maioria dos casos, é necessário apenas pequenos cuidados e uma consulta a um profissional de saúde.
   7. Toda mãe é capaz de produzir leite, desde que orientada por um profissional. Nunca deixe o bebê mamar no seio de outras mulheres, pois há risco de transmissão de doenças, inclusive a Aids.

Setembro/2003
 
 


Última atualização: 3/5/2011

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
22 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital