Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

PERIGO: LEITE MATERNO sendo VENDIDO pela internet e redes sociais

Por: Marcus Renato de Carvalho + O Globo

 /

No Reino Unido, mães vendem seu leite pela Internet

 

Médicos alertam que o comércio pode ser prejudicial aos bebês, uma vez que os compradores não conhecem a origem do alimento, a forma como foi armazenado e transportado

 

No Brasil isto seria impossível: há lei que proíbe a comercialização de leite humano, há também uma enorme rede de Bancos de Leite e uma consciência de profissionais de saúde e mães que não permitiriam este péssimo comércio.                                                        

Dr. Marcus Renato de Carvalho

 

·          

·          

As comunidades e fóruns da Internet ganharam mais uma função. Mães do Reino Unido aproveitam as facilidades da rede para vender seu leite e conseguirem uma renda extra.

O comércio que acontece livremente em diferentes sites — como o “onlythebreast.co.uk ” e mesmo em comunidades do Facebook — gera uma grande preocupação entre os médicos, que alertam que o leite vendido dessa forma pode ser prejudicial aos bebês.

 

— As mães que estão vendendo esse leite podem estar tomando medicamentos ou drogas, ter doenças infecciosas, como Aids ou hepatite. Ninguém pode verificar se o leite dessa mãe desconhecida é inofensivo para o bebê — disse Wolfram Hartmann, presidente da “Professional Association of Pediatricians”, acrescentando que a qualidade do leite pode ser afetada também durante o seu transporte.

Apesar de sites como o “onlythebreast.co.uk” dizerem que as famílias compradoras podem pedir documentos médicos atestando a saúde da fornecedora do leite, este não é obrigatório.

Hartmann adverte ainda que um recém-nascido tem necessidades nutricionais diferentes de um bebê de várias semanas ou meses de idade.

 

— O leite de uma mulher que tem uma criança mais velha não contém a composição correta de nutrientes necessárias para um recém-nascido.

O professor Mitch Blair, do “Royal College of Paediatrics and Child Health”, diz que as mulheres que não podem amamentar podem recorrer ao banco de leite materno.

 

Nós incentivamos as mulheres a amamentarem sempre que possível, pois esse ato é benéfico tanto para as crianças quanto para as mães. Para as mulheres que não podem amamentar mas querem dar o leite materno ao filho, o banco de leite oferece uma saída segura. Recomendamos que as famílias busquem esses bancos de leite materno oficiais ao invés de comprá-lo de outras fontes pela da internet — adverte Blair, que diz ser crucial verificar cuidadosamente o leite além de analisá-lo, saber se foi pasteurizado corretamente e transportado com segurança.



© 1996 - 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 


Última atualização: 18/10/2012

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
22 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital