Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

\ Direitos \ Homem \ Artigo

O direito ao acompanhante no parto será LEI

Por: Sarita Coelho

Entidade luta pelo direito à presença de acompanhante na hora do parto

A Rede pela Humanização do Parto e Nascimento (Rehuna), ONG com sede em São Paulo, está aproveitando a 12º Conferência Nacional de Saúde para se manifestar em favor do projeto de lei nº 195/2003, em tramitação no Senado Federal, que torna obrigatória a presença de acompanhante de escolha da mulher durante o trabalho de parto e no parto. Apesar de essa ser uma iniciativa que garante a humanização no atendimento - uma das principais bandeiras dessa conferência - ainda são muitos os hospitais que não a atendem. Baseada em uma carta aberta, escrita para os diretores da Santa Casa de Misericórdia de Guaxupé (MG), a Rehuna defende sua proposta.

Na carta, a família da psicóloga hospitalar Vânia Cristina Rondon Bezerra reage com indignação diante da negativa ao pedido da presença do pai durante o nascimento do filho. O argumento usado pelos diretores da Santa Casa foi que isso evitaria o risco de infecção hospitalar, não abriria uma exceção para a família e que a Santa Casa não possuía estrutura física para atender ao pedido.

Para família, fica claro - pela prática comum - que se o pai fosse médico, ele teria direto a entrar na sala de parto. Também, o argumento de não abrir uma exceção, para eles, é assumir que hospital não atende a idéia de humanização; já sobre a falta de estrutura, a família responde que não é possível que um hospital não possua a indumentária adequada para o acompanhante, um pouco de álcool iodado e sabão.

"Hoje, as pessoas ainda acreditam que o direito ao acompanhante na hora do parto é um capricho da mulher. Na verdade, ela está em uma situação de fragilidade e precisa ter alguém ao seu lado", diz a secretária executiva da Rehuna, Daphne Rattner. Segundo ela, é preciso incluir o conceito de assistência humanizada à gestante, à parturiente e ao bebê na capacitação das equipes de saúde da família, agentes comunitários de saúde e conselheiros de saúde.
Dezembro/2003
 
 


Última atualização: 10/2/2011

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital